Apareceu a Margarida

1/9

Texto de Roberto Athayde, um clássico do teatro contemporâneo brasileiro, discute relações de poder por meio do jogo cênico estabelecido pela personagem-título e a plateia

 

Silêncio! A professora acaba de entrar na sala de aula com seu tom de voz firme e cheia de certezas sobre matemática, biologia e até assuntos que fugiriam da grade curricular. Os alunos são os espectadores, convidados a entender o que há por trás da série de impressões sobre aquela mulher.  

O monólogo encenado pela atriz e produtora Marília Medina (participou do humorístico Pé na Cova, da TV Globo) é dirigido pelo também ator Bruno Garcia (seu último papel foi como Aristides em Nada Será como Antes, da TV Globo). A montagem comemora 10 anos nos palcos, com passagens por festivais de teatro e diversos cidades brasileiras. “Somos amigos há muito tempo, e foi ela quem me apresentou o texto do Roberto Athayde (escrito em 1973). A princípio montamos uma cena para um projeto do Michel Melamed, mas percebemos o grande potencial do espetáculo”, explica Garcia.

 

A temporada de Apareceu a Margarida na Caixa Cultural São Paulo reflete, na opinião do diretor, a maturidade desta parceria. “A Marília é uma excelente atriz e a trajetória longa da peça contribuiu bastante para que ela tivesse domínio total da personagem. Ela é surpreendente e muito segura, especialmente porque a peça nunca é a mesma”, conta Bruno Garcia, que optou por uma montagem mais realista. “Muitos homens interpretaram a Dona Margarida, mas eu gosto da versão original e acho que é uma peça que funciona bastante em teatros com palco semi-arena, que têm atmosfera da sala de aula. Montamos no palco italiano e também deu certo”, comemora o diretor.

 

Dona Margarida parece imperativa. Escreve seu nome no quadro para que fique na memória dos alunos. Por trás de sua figura aparentemente ameaçadora, existem camadas a serem descobertas pela plateia. “Ela é uma personagem incrível, não gosto de julgá-la. Acho que Dona Margarida tem a lucidez de enxergar o que muitos não veem. As contradições dela são evidentes. A riqueza desse humor tragicômico é a sensibilidade com o qual se tratam questões como o autoritarismo dela”, revela Marília Medina, que assina a produção da peça.

 

A peça

Apareceu a Margarida foi escrita pelo dramaturgo Roberto Athayde. Um dos maiores sucessos do teatro brasileiro, contou com mais de 300 encenações em 30 diferentes países (o monólogo já teve intérpretes como a norte-americana Estelle Parsons e a francesa Annie Girardot). A primeira versão para os palcos foi protagonizada há 40 anos por Marília Pêra, com direção de Aderbal Freire Filho. Ao mesmo tempo em que a estreia fez um sucesso imenso de público e crítica, a peça teve problemas com os militares e a censura fechou o teatro.

 

“Acho que é um texto que nunca perde a atualidade, que nunca fica datado. Foi o que percebemos em 2007, e é o que percebemos agora. Ele foi montado na época da ditadura e ainda serve para refletirmos sobre relações de poder”, revela Garcia. Marília completa que justamente por trabalhar com metáforas, a obra provoca leituras abertas. “Encenamos o texto de uma maneira bem naturalista. Dona Margarida provoca os alunos quando sugere a passividade de alguns. São também reflexões sobre agir dentro dos padrões e pensar fora da caixa”, pontua a atriz.

 

Bruno Garcia

Bruno Garcia nasceu no Recife, em novembro de 1970. Como ator encenou as peças Hamlet, O Burguês Ridículo, Polaróides Explícitas, entre outras.  Dirigiu Que merda é Essa, Menon e, mais recentemente, O Livro de Tatiana.  Artista versátil, ele é bastante conhecido por papéis no cinema e na televisão. Entre seus trabalho destacam-se os seriados A Grande Família, A Diarista e Sexo Frágil, as novelas Felicidade, Coração de Estudante, Kubanacan e Bang Bang, as minisséries Os Maias, Louco por Elas e Nada Será como Antes (todas pela TV Globo). No cinema atuou em O Auto da Compadecida, Lisbela e o Prisioneiro, Saneamento Básico, De pernas pro Ar  3, entre outros.

 

Marília Medina

Carioca, a atriz e produtora iniciou sua carreira na década de 80. Atuou e produziu a peça Lavanderia Brasil. No cinema participou dos longas-metragens Mulheres do Brasil  e Verdades e Mentiras sobre o Sexo, além do curta-metragem Sildenafil, de Clóvis Melo, que lhe rendeu o premio de melhor atriz no Festival de Toronto. Na televisão, a atriz esteve nos seriados A Diarista e Brava Gente, nas novelas Força de um Desejo e Coração de Estudante, produções da TV Globo. Marília produziu a versão brasileira de espetáculos como Haispray e Os Produtores.

 

Na imprensa

“Hilariante metáfora do poder...”

“Marília Medina exibe um trabalho impecável” – Lionel Fischer – Tribuna da Imprensa

 

“Aula em que se ri do poder”

“O Humor, parte indissociável do texto, é acentuado na direção de Bruno Garcia – Macksen Luiz – Jornal do Brasil

 

“Marília Medina, magnífica” – Ida Vicenzia – Jornal do Brasil

Ficha Técnica

Autor

Roberto Athayde


Direção

Bruno Garcia


Elenco

Marília Medina


Direção de Movimento

Duda Maia


Direção Musical

Maurício Barros e Zé Luiz Rinaldi


Iluminação

Aurélio de Simoni


Cenário

Denis Netto


Figurino

Ticiana Passos


Direção de Produção

Luiz Prado


Assessoria de imprensa

Fernanda Teixeira – ArtePlural


Realização

ADS+ Produções e LP Arte Soluções Culturais

Temporada​

Caixa Cultural São Paulo

06 a 16 Abril 2017

 

Teatro Jaraguá - SP

02 Junho a 23 Julho 2017

 

Teatro Eva Herz - SP

03 Outubro a 05 Dezembro 2019

Clipping

Confira aqui o que foi notícia sobre este evento.