O Futuro do Patrimônio

Seminário Internacional - IPHAN 80 anos

1/12

No ano em que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) completa 80 anos, seus esforços e atenções voltam-se para uma missão fundamental: refletir sobre a evolução da política de preservação e a gestão do Patrimônio Cultural. Assim, com foco nos próximos 80 anos, o Iphan promoveu, entre os dias 26 e 27 de outubro 2017, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro (RJ), o Seminário Internacional O Futuro do Patrimônio.

A programação trouxe palestrantes representantes de Portugal, Espanha, Holanda, Suécia, Canadá, China, Argentina e Brasil. Os debates foram divididos em quatro blocos com temáticas distintas, consideradas fundamentais para o futuro das políticas patrimoniais: cultura arquitetônica, cultura antropológica, cultura arqueológica e cultura urbanística e documental. Com a mediação de representantes do Iphan, os especialistas apresentaram as experiências internacionais no tema e dialogaram com as possíveis aplicações e demandas do Brasil.

O evento, que contou com o patrocínio do BNDES e da Vale, é parte de uma extensa programação que ocorre ao longo de todo o ano, dentro das comemorações do aniversário da instituição. “Com o slogan Iphan+80, estabelecemos parcerias e uma extensa agenda com foco em mostrar o que fizemos em prol da conservação e salvaguarda do Patrimônio Cultural Brasileiro, salientar as difíceis condições com que exercemos a missão institucional durante essas oito décadas e questionar a sustentabilidade do modelo de gestão patrimonial existente no país”, explica a presidente do Iphan, Kátia Bogéa.

 

Revista do Patrimônio
Na agenda do primeiro dia do Seminário Internacional O Futuro do Patrimônio, 26 de outubro, houve o lançamento da edição comemorativa da Revista do Patrimônio. A publicação – que também completa 80 anos– reúne artigos de especialistas na área, trazendo contribuições capazes de agregar conteúdo à discussão sobre a gestão do Patrimônio Cultural.

Revista do Patrimônio teve sua primeira edição lançada em 1937, logo após a criação do Iphan, sob a coordenação do primeiro presidente da instituição, Rodrigo Melo Franco de Andrade. Durante esses 80 anos, foi o meio para a publicação de artigos e ensaios sobre o patrimônio cultural, arte e história, com a colaboração de inúmeros especialistas, de dentro e de fora do Iphan, tais como Lucio Costa, Gilberto Freire, Mário de Andrade, Curt Nimuendaju, Heloisa Alberto Torres, entre outros.

Nesses 80 anos de atividade foram tombados 87 conjuntos urbanos, o que implica em cerca de 80 mil bens em áreas tombadas e 531 mil imóveis em áreas de entorno (já delimitadas). O Iphan também tem sob sua proteção 1,2 mil bens materiais tombados, oito terreiros de matrizes africanas, 24 mil sítios arqueológicos cadastrados, mais de um milhão de objetos arrolados (incluindo o acervo museológico), 41 bens imateriais registrados, além de cerca de 250 mil volumes bibliográficos e vasta documentação de arquivo.

Saiba mais em http://portal.iphan.gov.br/ofuturodopatrimonio 

Temporada​

Museu do Amanhã - RJ

26 e 27 Outubro 2017